segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A POESIA DE GUILHERME DE ALMEIDA




CARIDADE ATIVA
Poderia ser suave, feliz, bem mais doce
Na experiência da romagem desta vida
Houvesse, de verdade, em nós a posse
Da bondade praticada, real, estendida.

A mão que doa e ampara sempre é ponte
O amor que na luz do céo exultante desce
A alegria que daquele lindo ato acontece
Tem Deus na origem, a razão, sua fonte

Caridade pede atitude, ação pronta, de fato
Mesmo havendo jeito, cuidado e lhano trato
Não pode se limitar à simples peça de teoria

Ao mendigo implorante a ruminar sua fome
O pão duro, seco, puro, dado, ávido come
É seu Deus e bênção; é sua Fé, sua alegria

Guilherme de Almeida- Espírito
Recebida em sessão reservada pelo médium Arael Magnus no Celest-
Sabará- MG, em 29 de Novembro de 2009


EM AUXÍLIO
Dizem que a rosa assume
Seu destino com o espinho
Que nós sejamos perfume
Não os pregos do caminho.


JUÍZES
Pra mim é fácil apontar
Do outro todo defeito
Bem difícil é enxergar
Se estou agindo direito
.

A LUZ MAIOR
Há vultos que descem à terra
Para engrandecer a raça
São seres em que se encerra
De Deus a sublime Graça

Trazem todos uma história
De amor doado em martírio
No bem servir fazem Glória

Da alvura intensa do lírio
Gravada em boa memória
Esparramam áureo delírio
Amor que a todos abraça

A luz que aos ímpios aterra
Mostra Verdade e a vitória
Que a bondade pura enlaça

Exemplo que nunca passa
De luzes, o que mais reluz
Depurando nossa escória
Destacando-se o de Jesus

Guilherme de Almeida- Espírito
Recebida em sessão reservada pelo médium Arael Magnus no Celest-
Sabará- MG, em 29 de Novembro de 2009


PROVAÇÃO
Bate contínua no peito
Latejante, permanente
Acusando
Pede silêncio e respeito
Suplica, chora, a mente
Só cobrando
Dor que derruba ao leito
Devorante e inclemente
Devassando
Crivo de horrores, feito
Escravizante, renitente
Consertando
Lição em filtro perfeito
Purgante do penitente
Vai limpando
Cada um tem o direito
A espernear resistente
Reclamando
Enxergar ali um preito
É de gente inteligente
Resignando
Por converter o defeito
Em virtude consciente
Burilando
No vernáculo escorreito
É a docente competente
Ensinando
Leva a caminho perfeito
E o Mestre feliz à frente
Esperando.

Guilherme de Almeida- Espírito
Recebida em sessão reservada pelo médium Arael Magnus no Celest-
Sabará- MG, em 29 de Novembro de 2009


QUANDO EU FALAR COM JESUS
Eu quero estender minha oração aos que não conhecem Deus
Quero andar junto ao irmão que se enfileira à trilha dos ateus
Pois não existe no mundo miséria, pobreza maior do que esta
Quem o Pai nega, na matéria, seu Criador”consciente”contesta

Quero estender essa oração aos que fazem da Fé um mercado
Pelo mal que nesta ação fazem ao mundo e a si em redobrado
Atolados em negras dores ficarão longo tempo sem clemência
Sofrendo gigantescos estertores pelos efeitos dessa demência

Eu quero estender essa oração àqueles que por meios nefários
Matam anjos, crianças indefesas, em abortos vis, sanguinários
Pois pagarão altos preços pelos crimes hediondos, perpetrados
Os piores pavilhões de dores e sofrer estão a estes reservados

Que esta oração se estenda a todos que ficam no erro atolados
Que implorem o perdão, se revisem, modifiquem seus trilhados
Que sejam prestos, pois não se sabe quando serão convocados
A prestar contas justas, da consciência à qual são endividados.

Quero estender minha mão aos que se arrependerem sinceros
Vou advogar nos céos, em preces, que castigos mais austeros
Lhes sejam minimizados, e que lhes venha plena compreensão
Pois ao que se rende, e se arrepende, Deus não nega o perdão


Guilherme de Almeida- Espírito
Recebida em sessão reservada pelo médium Arael Magnus no Celest-
Sabará- MG, em 29 de Novembro de 2009




OS HAICAI'S


VERDADES

Vir, viver, renascer
Lema da vida, um poema
Inexistir do morrer


SAUDADE
Amor... Distância
Sustento em pensamento
Só, vivo-lhe a ânsia


MONSTROS
Usura, fama, poder
Figuras de mil amarguras
anulando o crescer


VERDADE
Noite de lua cheia
É ao pobre que não se cobre
do frio, noite feia
!

CALEIDOSCÓPIO
No mundo do olhar
A paisagem se faz miragem
Do limite de sonhar


VISÕES
Madeixas dos teus
cabelos, posso assim vê-los
Reais fios de Deus


METAMORFOSE
Pessoa com fome
É fera que se desespera
Humana? Só nome.


DESVIOS
Queda no abismo
Escolhe quem se recolhe
A si, no egoísmo.


NATAL
No palco em luz
Anjos em belos arranjos
No coro a Jesus


PRECIOSIDADE
Lágrima ao chão
Brilhante qual diamante
Luz do coração

VITÓRIA
Ilusória despedida
Da morte, que parece forte.
A Vitória é da Vida


ESTRELAS
Enorme o valor
Felicidade na Caridade
Feita com amor


CONSEQUÊNCIA
Vacilei no erro
Reconheço que mereço
Dor e desterro


ILUMINAÇÃO
Sofreu, suportou
Dura Vida, azeda, sofrida.
Anjo de luz virou.


Guilherme de Almeida- Espírito
Recebidos em sessão reservada pelo canal Arael Magnus no Celest-
Sabará- MG, em 29 de Novembro de 2009



Assista clipes de 400 músicas mediúnicas das mais de 1700 recebidas por Arael Magnus em
 www.youtube.com/user/TVINTERMEDIUM/videos?view=0&shelf_id=1&sort=dd

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A Poesia de Henriqueta Lisboa - Espírito








TESOUROS

Quero ser fruta macia
Doce, amarela, madura
Para saciar a fome
Dos passarinhos
Que ficam
Famintos
Sem ter um ninho.

Quero ser fonte fresquinha,
Descendo a pé da montanha
Sarando a sede
Com beijos
Aos litros,
E com fartura
Toda secura das almas.

Quero ser chuva fininha
Caindo mansa
Na horta
Fazer crescer,
Bem viçosa,
O rabanete, agrião,
Cenoura, batata doce.
Cebolinha, caridade,
Chocolate de bombom.

Quero ser sol de tardinha
Crepusculando
A toada
Com café quente na trempe
Cheiro de biscoito frito
E conversa
Na soleira.
Até dar sono
Na gente.

Quero ser plena portante
Dessa riqueza imensa
Chamada
Simplicidade.


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


PREÇOS DE OCASIÃO
Toda dignidade
Pode ser vendida
Numa gota de sicuta.

Toda indignidade
Pode ser comprada
Num tiquitim de perdão.

O mercado tem prateleiras
Arrumadas
Na inversa ordem
De dar a quem tudo tira
Tirar de quem tudo deu
As coordenadas se encontram
E prosseguem,
Cruzadas
No gestatório
Destino.



Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


ASSIM NO CÉU COMO NA TERRA
Perplexas verdades
São caramujos
Dissolvendo-se
Na pedra, úmidos.
Formados rastros
De brilhos duros
Como diamantes

De verdades derramadas.
Ditas assim, na cara
Sem meias palavras
Alguéns até dão a elas
O nome de Pater Noster,
Qui es in caelis,
Fiat voluntas tua....


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


CICLOS
Os olhos aboticados
Do sapo
São maiores que
A língua.
Espadachins
De desejos
Sonhando
O desequilíbrio
Da mariposa
Que dança
Na flor
Que cospe a semente
Enchendo a boca
Da flauta
Que já flecheia
Os olhos
Aboticados do sapo.

Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


SENTINELAS
Vela
Vela
Vale
Vale
Veio
Veio
Velo
Vê-lo
Vês
Pensar
Em linha
De fogo
Revôo
Estilhaços
A usina
Pulsar.


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)

- É urgente promulgar a Declaração Universal dos Deveres dos Vermes -


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


BIS

Triste piano
Chorando Chopin
Acordando lamentos
Noturnos,
Gritantes
Dobrados
Nos lenços
Molhados
De sangue,
Cor de Amora.

Hoje o marfim
Amarelecido
Esconde
Seu timbre
Não chora,
Não canta
Só lembra
Se lembra
Do tempo
Que viva
A flor
Recendia
Perfume
Jambeiro
Em flor

Desce ao caminho...
E ao caminho sobe.
Retine.

Passado feliz
Presente
Assustado
A luz se apagou
Na Ária de Bach
Estupefação!
Os dedos nervosos
Nas teclas pousados
Tocam novamente
Sonatas tristonhas
Que felicidade!
Voltaram os prantos
Dos sons libertados
E a flor de perfume
Espalha nos ares
Cheiro de jasmins
A festa prossegue,
Feliz Imortal
Mozart, Debussy ...
Avencas, acácias
Vivaldi, Strauss...


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


UM SORRISO DE POETAReinava
Rei navegante
O sol desliza nas nuvens
Lentamente,
Zeloso de não ferir
Os silêncios do poeta.

A tristeza não é má,
O ruído sim.
Barulhos são invasores
Dos aposentos
Fantasmas.
Lança de varar céus.
Decidido caiu no mar, o sol.
Há em volta vultos
De volta
Que espreitam,
Espremem,
Sinistros gargalham
Por não saberem a Graça
De um sorriso de poeta.

Existe a cada verso,
Na elegia
Um núcleo de ressurreição
U’a mista divindade
Tanto bom que sobrevoa
E faz fugir, rugibundos
Os fantasmas
A realidade
Até a vida.

Mas os dedos e os medos
Caem
Sobre o pano xadrez
Da melancolia.
Profundo despetalar
Sonhos impróprios
Dores contadas
Choro dorido
Flor
Da Lágrima.

A coragem de viver...
-“Porque vida é um ato de loucura.
Andar farpado de arame bambo”.
Balouça no cenário violáceo
De sua amargosa
Insistência
Pétrea
Pedregosa
Petrificada..

Sob manto negro
Escura companhia
O rei mergulha no mar
Sucumbente
De negra escuma
Da culpa
Sem culpa, sem lama,
Só alma...

Remorsos
Vagidos rasgam o peito
Gritando
Juramento catedrático,
Da última etapa
Do primeiro mandamento.
A Parca é enganosa
Por não cobrir
A multidão de pecados
Que o Amor cobre.

A Fonte de Amor, ouvindo
Os cantos,
A consciência
Encerra a noite,
Acende a aurora
Num casebre ocre
De papelã janela.

Nasce outro dia,
No colo de mãe
Acolchoado em fadas,
Especial criança,
De especial sorriso
Feliz de poeta,
Dos brinquedos de poeta.
Novamente
O sorriso e o poeta
Em síndrome rubescente,
Reinam...



Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


O PRESÉPIO
Eu inda quero sentir
O branco olor d’açucena
Passar os olhos espertos
Sobre o manto de flanela
Azul, mesclado de tons
De um berço
Com criança.

Eu inda quero escutar
O cantoninar sereno
De uma Callas esquecida
Em bairro de classe média
Esquentando a mamadeira
Nanar o neném
Dormir.

Quero tecer sapatinho
De tricô em ponto-cruz
Casaco, meia, futuro
Enxoval de esperança
Rosa, azul e amarelo.
Sete dias
Cai o umbigo.

Por quê?

Porque há ais...
Há sim longa fila
De espera.
E nela
Serpenteante
De tão longa
Está um rapaz formoso,
A bela moça prendada,
No velho brota bondade,
Uma menininha linda
Com vestidinho engomado,

Seres querendo ser.
Que não conseguem nem ser
Já que ninguém mais quer ser
Josés e Marias ou Marias
A montar rudes presépios
De deixar vir para o mundo
O Menino de Amor
Um pouco viver
Mesmo que um dia
Morrer
Crucificado...


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


HORA DO RECREIO

Aos braços me traz Cecília
Doce ternura...
Ampara-me qual escudeiro
Bandeira. É muita honra.
Ao som do riso pequeno
Do enormesco Drummond
Fazendo graça, menino
Tri-Quintana, em altos pulos
Conta a última anedota,
- Nada, nada pessoal-,
Diz ao Fernando,
Aos papos bons com Florbela.
Sem poder estoirar
Tambáim rrrio...
Do sotaque Ceará.
Do guilhermante hai-kai
Tudo isso acontece
Na hora do bom recreio
Sob olhar sereno e amigo
Do professor Romanelli.
Não quero dizer mais nomes
Mas são muitos, aos milhares
Uniforme azul e branco,
Somos só colegiais,
Ainda primeiro grau.
Do Instituto Educacéu
Tocou a sirene,
Voltemos à aula.
Viva a hora do recreio!



Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


AMANHECERES

Os jardins de memória
Mostram vasos
Órfãos de suas flores.
O diabo vestido de velha
Rega terra seca.
Rega
Passado, espelho que olho.
No regador esperança,
Verde asa de Louva-a-Deus.
Das estrelas o piscar carrega
Luminíscia madrugada
O anjo vestido de moça
Seca toda terra cega.
Seca.

Olho pela fresta da janela
E concluo que não tem lua
Nem janela,
Nem fresta,
Nem olho
Nem velha,
Nem moça.
Cartesianamente concluo,
Logo...
Há o anjo vestido de
Anjo,
Que não rega mais suas
Rugas,
Que não rasga mais as
Regras,
Que enruga as rusgas
Cegas.

Num regador esperança
Os arqui-suspensos
Jardins de memória
Mostram vasos exibidos
Exibindo novas flores.
São girassóis
Que incendeiam
A alvorada
Do Louva-a-Deus.



Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


NATIVISTAS
Escutai...
Não doem minhas feridas,
Cicatrizes
De mim fugiram como
Lambaris doirados
Adorados
Levaram na mala
Maldade e rancores
Na densa fumaça adernou
Aquela vontade louca
Fiquei no meio frio da estrada
Despertando
Graminhas
Que dormiam sob
O orvalho.
A graminha chamei-a
Vida,
E o orvalho,
Saudade.



Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)


A UM MÉDIUM
Colho teus suores
Que enchem de
ansiedade
As sombras de redor
Balsâmicas gotinhas
Inundando de amor
Corações vazios.
Ciciar do grafite percorre
Papel inquieto, molhado,
Minar.
Dando de ti
Humilde,
Pontos de seiva
Imortalidade
Alma, das almas.

És de um rio
Atraque singelo
Amarrado, mambembe
Às beiras lodosas,
Derramas certeza
Variados matizes.
Ânsias e
Holofotes
Marginando
Fecunda
Tempestade
Aos estéreis reinos
Da descrença
Lanças dúvida
Devolvem ironia
O fruto é bom
Vê-se, teu não é
Ruim, quanto pior
Óbvio, mistificas .

Sofro a angústia
Tua angústia
Pela obscenidade
Da ingratidão,
Desconfiança ferina,
Maldade.
Passo cambaleante
Sob peso de cruz aceita
Abandono,
Solidão, exílio.
Dessocialização completa
Incompreensão
Bailando ao som de réquiem

Vigiam-te, títeres
Enlameados,
Vasculhadores
Vampirizados,
Insulam-te
Minudências da hiena
Espreitando carcaças
Por não achá-las
Babuja a calúnia, injúria
Barrelas que dela trazem.

Vejo-te o infranzido perdão
Na pertinácia
Da sequência disforme.
E,
Pelos que vem, vieram
Virão
Te beijo agradecida,
Retribuo-te o ombro
Meu apoio e braço
Coração insuspeito.

Canal, afluente ligante!
Ponte, travessa peroba
Podia mais enxergar
Ainda muito,
Bem mais.
Porém nada mais vejo,
Nem quero
Porque a luz tonteante
Que vem
De quem, nesta
Homenagem
Te abraça
Cega-me toda,
A mim,
Ao mundo. .
Ao te abençoar.


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará


O PEIXE
Poesia é igual a peixe
Comprado no mercado
Pescado nos arroios
Grandes mares
Ou no poço.
Primeiro olha-se o olho
Olha-se o olho primeiro
Em seguida sinta o cheiro
O cheiro dá procedência
Depois apalpe a cor.
Verdadeira ela tem cor.
Fa-la-á picada, em postas
Temperada ao violino
Refogada
Em sentimento.


Henriqueta Lisboa – Espírito
(Poesia recebida via mediúnica por Arael Magnus, em 22 de Novembro de 2009, em reunião reservada no Celest- Castanheiras – Sabará)
.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.

Nota da Presidente- Nesta reunião estiveram também presentes os espíritos dos poetas Guilherme de Almeida e Paulo Menotti Del Picchia, que deixaram, respectivamente, 21 e 8 poesias, poemas, sonetos, e o primeiro lindos “hai-kais”. Além das 15 mensagens acima, o espírito da inspirada poetisa Henriqueta Lisboa marcou sua presença com mais 37 poemas, poesias e pensamentos, que serão em breve colocadas à disposição dos interessados. Devido ao espaço, muitos estão sendo colocados diretamente no blog da TV Intermedium, ou seja, http://intermedium.spaceblog.com.br/
e em http://araelmagnus-intermdium.blogspot.com/
Ou no You Tube em http://www.youtube.com/tvintermedium?gl=BR&hl=pt#p/u/0/5TvKGGE4MRw

terça-feira, 17 de novembro de 2009

A Poesia de Carlos Drummond de Andrade - Espírito -


RESISTENTE INSPIRAÇÃO MATINAL


Cedo à lira que estira desperta
Esta certeza correta, tão certa
Do Universo deste verso,
Cada um
É uma mente perigosamente aberta
Mil amores repentinos acoberta
Costura justa, sobreposta
Em debrum
Vou sair de minha valsa
Fazê-la andar descalça
Dos pés marcados os passos
Dançando os meus sucessos
Comemorando progressos
Mentiroso dos fracassos
.
Por que os versos não aprendem andar sozinhos na vida?
Por que os sozinhos na vida não aprendem os versos?
Por que não aprendem andar os versos sozinhos da vida?

Por que não aprendem andar?
Por que na vida os sozinhos?
Aos saltos e em sobressaltos
Cantando em coro, contraltos
Barítonos, mezzos e baixo
Mil harmônicos encaixo
Derramam-se sobre a alegria.
Dançando os meus fracassos
Mentiroso dos sucessos
Saindo de pés descalços
Obrigado, Deus, Bom Dia!

Carlos Drummond de Andrade (espírito)
Recebido mediunicamente por Arael Magnus,
No Celest- Centro espírita Luz na Estrada- Sabará _MG
Em 15 de Novembro de 2009


EDIÇÃO EXTRA!

Sábias mãos desfilam nuas nas praças de seus passados
Encontro em cruzamento infindo de outros eus descaindo
Ao dedilhar colossais desatinos, inúteis viscerais venenos
Na saga incontrolável de afogueada ignorância voluntária.

Os gritos de artifício da alegria fugitiva
A pirotecnia em sapiência tola dourada
A busca incansável do bolor nas flores
Dos sinos, sonhos, as dores e o Nada.

Túnel decifrante nas setas dum labirinto azul brilhante
Becos com saída a resposta óbvia à pergunta sumária
Céus abertos em tarde de futilidades áureas festeiras
Uniformes descorados, o conceito de gala, enganoso

Passos cambiantes de uma cabeça oca,
Riso amarelado de infantilidade, impuro,
Na feroz expressão de instinto, da boca
Existir fulminante na bateia de besteiras

Debatem-se nos cômodos fundos da perene consciência
Os ciganos coloridos a buscar do que foi, estertores frios
A cantilhar em gélidas mãos sem linhas, que fez horrores
Surpreendendo-se às maldades de propósito bem urdidas

Extenuado passo percorrendo na vigília
Desatento da busca de tempo de vazios
Vasculhar refrátil da moeda não achada
Falso mapa do tesouro, riqueza perdida

Retrancando manchetes, titulou a sua enorme insolvência
Pautando solene assunto, a ninguém, só dele, interessava
Copy-descou rotamente, pavorosa estultícia, selo marcado
E um a um caíram ímpios, de calhaus, linotipos multicores

Editou pecados mil tal artigos de quermesse
Diagramando de estilo pessoal delinqüência.
Publicando a notícia e intrigantes falsidades,
Pregou banca o mural vulgar, amor e odores

Fanáticos e céticos da mesma esquina errada são mendigos
De igual burra incerteza crente cego e nihilista, são escravos
Presunção, prepotência contaminada, epidêmicas bobagens
Na lodosa areia da estupidez, a avestruz de cabeça afundada

Foi fanaticamente cético, duvidou mendicante.
Cegamente creu no Fim. Sim, o era, sem se ver.
Verme no monturo o sol negando por cego ser
Ao dar as costas à luz, criou seu mundo escuro


Carlos Drummond de Andrade (espírito)
Recebido mediunicamente por Arael Magnus,
No Celest- Centro espírita Luz na Estrada- Sabará _MG
Em 15 de Novembro de 2009


VERBUM

Há quanto tempo não reparava
Em mim, de mim, comigo.
Reparar é um verbo importante.
Diferente de mim é regular,
Democrático tiritante, dinâmico, indiscreto.

Vem antes de parar e após o preço refeito.
Não fica só, pois em si contém par, pé, pá e ar.
Diferente de mim...
Tem significados ocultos, dizem que é feitiço.
Reparar... Parar... Preparar...
Repararei.


Carlos Drummond de Andrade (espírito)
Recebido mediunicamente por Arael Magnus,
No Celest- Centro espírita Luz na Estrada- Sabará _MG
Em 15 de Novembro de 2009


DUENDES DOLENTES

Olhos pássaros
Que esvoaçam
Desembestadamente, sem rumo
Secas folhas
Que vagueiam
Destrambelhadamente flutuam
Nos charcos,
No mangue.
Nos rios,
Nas vias.
Crianças...
Anjos mirrados caídos do mural de Portinari
Duendes bordados de sangue
Sangue de lata de lixo
Brincantes de esconde-esconde
No esguicho da indiferença fria.
De passa-anel com unhas sujas
Embaçando palacianos carros bêbados.
Xô, daqui! Pirralha - grita o velho ladrão.
- Onde está a polícia que não faz nada?-
Esfarfalha ilegal ocupante de favor do Ministério.
Orgulhoso, o jogador balança a corrente de ouro
Cospe a gosma dopada no chão do asfalto lusco
Bradando rosna as fúrias àquela mão implorante.
Desembestadamente,
Destrambelhadamente
Pensam que enganam (engasgam)
Mal sabem que plantam (Más)
O insurpreso futuro da dor.

Carlos Drummond de Andrade (espírito)
Recebido mediunicamente por Arael Magnus,

No Celest- Centro espírita Luz na Estrada- Sabará _MG
Em 15 de Novembro de 2009



SILÊNCIO DOS ANJOS
Psiu... Faz um pouco de silêncio
Uma alma perdida agora dorme.
Almas perdidas às vezes acham
... Aqui...
Se acham, às vezes almas perdidas
Que quando dormem,
(se conseguem)
Não mais acordam, são encontradas
Nas correntes de orações,
Rezadas
Para almas esquecidas que dormem.
Psiu...
Faz agora mais um pouco de silêncio
Porque sinto: sono apressado chega
Não há tempo de colocar meu pijama
Que tem estrelas e anjos
Pintados em roxo claro.
Oremos.


Carlos Drummond de Andrade (espírito)
Recebido mediunicamente por Arael Magnus,
No Celest- Centro espírita Luz na Estrada- Sabará _MG
Em 15 de Novembro de 2009



CERZIR


Sou eu!

Sim, sou.

Sem Som
Só eu

Sem sol

Sem sul

Sem sal

Sem Céu

Só... Só.

Se sou,

Sôo

Suo

Sem ser

Eu sou.

Soul.

Monossilabicamente reduzido

Por não remendar curto espaço

O acadêmico exercício remoído

De ferrugem consciente que cai

Do teto lato imortais idéias.Vai


Carlos Drummond de Andrade (espírito)
Recebido mediunicamente por Arael Magnus,
No Celest- Centro espírita Luz na Estrada- Sabará _MG
Em 15 de Novembro de 2009



ENQUANTO EU NÃO MORRER


(A saudade é um trem)


Pedra lisa
Empinada
Levantada
Brilha, brilha
Faz divisa
Entre o Amor
E a Saudade
meio rio
só, vazio
Corre um fio
De demora
Passa hora.
Doce espera
Primavera
Quem me dera
Por um pouco
Aí estar
Caminhar
Na ladeira
Água Santa
Santa Santa
Brilha muito
Pedra lisa
Levantada
Tanta, tanta
De vontade
É verdade
No beijar
Se um anjo
Exorciza
Não me venha
Exorcizar
Só precisa
Pedra lisa
Empinada
Brilha, brilha
Levantada
Filho solto
Esperar
Por um pouco
Quero e quero
Em seu colo
Descansar
De alegria
Berro berro
Trem de ferro
Fura terra
Vem da serra
Vai pro mar
O segredo
No degredo
Nem desvendo
Não pretendo
Desvendar
Brilha, brilha
Muito brilha
Trem tem trem...shhhhhiii
Vou bem, bléin...
Sem também
Piuíiiiiiiii
Amém.
A eterna gratidão de emoção delira
Coração sabe: sempre cabe Itabira.

Carlos Drummond de Andrade (espírito)

Recebido mediunicamente por Arael Magnus,
No Celest- Centro Espírita Luz na Estrada- Sabará _MG

Em 15 de Novembro de 2009



Nota da Presidente- A reunião no Celest, no dia 15 de novembro de 2009, devido ao grande número de pessoas presentes teve o horário de início alterado, e teve que ser realizada em ambiente privado, com a participação de 9 pessoas definidas pelo coordenador do Projeto, Padre Aldo. Manifestaram-se pela psicografia os espíritos de Carlos Drummond de Andrade, que deixou 23 mensagens (poemas, sonetos e poesias), a gentil poetisa portuguesa Florbela Espanca (14 sonetos) e os poetas castelhanos Jorge Luis Borges, argentino e o chileno Neftalí R. E. R. Basoalto (Pablo Neruda) ambos com 8 poemas cada um. Pelo caráter revelacionista, reivindicativo ou pessoal de que se revestiram alguns dos poemas de CDA, e todos os dos outros poetas que nos visitaram, estão sendo analisados pelos 48 da relação (definida pelo coordenador), que os estão recebendo e serão colocados em breve (Se Deus quiser) à apreciação dos interessados, via E-book pela Internet.
LLP- centro Espírita Luz na Estrada - Sabará - MG
Leia mais mensagens de Arael Magnus em http://intermedium.spaceblog.com.br/
E em http://araelmagnus-intermdium.blogspot.com/

Ou no You Tube em http://www.youtube.com/tvintermedium?gl=BR&hl=pt#p/u/0/5TvKGGE4MRw


Assista clipes de 400 músicas mediúnicas das mais de 1700 recebidas por Arael Magnus em
 www.youtube.com/user/TVINTERMEDIUM/videos?view=0&shelf_id=1&sort=dd

terça-feira, 10 de novembro de 2009



O iscrito do isprito
(Cordel do Além)

Sô moço, mindá licença

Vô mostrá minha ciença

De versejá sem istudo.

Sô cabocro nordestino

Quem me guia é o Minino

Que manda aqui in nós tudo.



Rogo a tua anuença

Discurpe pelas ofensa

Desse véi assim rombudo

Na minha arretada sina

Vim proceis fazê a rima

Canto pruquê não sou mudo.



Vivi no meu Ceará,

Pronde inda quero vortá

Pra revê minhas prantinha

Os meu bicho, meu lugá,

Minha gente inda tá lá

Continua seno minha.



Cantei quas a vida intera

Fiz verso de mil manera

Fiz sorri e chorei mágoa

Pedi pra Deus a ventura

Que era trazê a fartura,

No sertão derramá água



Ninguém pode imaginá

O que é vivê a cramá

Sem conforto, sem cumida

Oiano os fiinho cum fome,

É triste dimai, viu home,

Eta amargosa de vida.



Veno os animá morrê,

Sem uma gota pra bebê,

Esticano assim, a míngua

Eu descobri no cantá

Um modo de recramá

Daí qui sortei a língua.



Fiz verso de todo jeito

Manco, torto, imperfeito

Mas num parei a rotina

Pedino as artoridade,

pra mandá lá da cidade

e a porvidência Divina..


Despois ficavo suntano

Garrado rádio, escuitano

Pra vê se tinha nutiça.,

Era pura perca de voz,

Pruquê os grandão, pra nós

só mandava a puliça.

Mas eu num me aperriei

Pra todo mundo cantei,

Gente simpre e tubarão

Improrano por clemença,

Tenha santa paciênça,

Óia pra nói do sertão...



Hoje eu seio que meu canto,

Num feis milagre de santo,

Valeu só um mucadinho,

Mas se eu pude fazê pôco,

Garrei cantá que nem lôco,

Percurano os caminho,

Pudera ter feito mais.

Pruquê quem pode num fais?



Meu zóio cansado bria,

Quano alembro a poesia

Que brotava assim, na hora,

Agardeço ao Padim Ciço,

Pru me ajudá no sirviço,
Jesus e Nossa Senhora.



Só cum ôio e mei manco,

Mistiço de preto e branco

Mermo assim eu deio conta

Cantei pra véi e pra novo,

Tentano ajudá o meu povo

A miorá a vida tonta.

Vortano naquele assunto:
Fais nada quem pode munto.



Seu moço, eu disgarrado

Doente, duro, quebrado,

Véi, feio, emprobecido,

Cunsegui levar pro mundo

Do coração, lá do fundo

Das mióra os pidido.



Agora aqui desse lado

Eu num fico sossegado
Pruquê inda óio a penura
Daquele povo sufrido

Do meu nordeste querido

Num magina a amargura..

Do lado das arta banda,
Armentô só porpaganda.

Essa tropa que guverna

No povim passano a perna

Num sabe o que lhe apara

Eu vô tá aqui na porta

Quano chegá morto ou morta
E dá neis uma coça de vara.

E oceis fica bem ativo,

Possu pegá ocêis vivo.



O meu cumpadi Zé Nona

Diz, caçuano minha cara

Qui eu vô derrubá Amazona

Pra encontrá tanta vara.

Mas disso num me aperreio

Córqué cois eu chego o rêio.



Discurpa a irreverença

Dessa minha insolença

Mas é difici, mermão
Vê gente disisperada

Morreno esfomiada,

Sujigano bandonada

Querditano nas cunversa

(Se não é paga é fiada)

Desse bando de imbruião.



Fico aqui, como um fantasma
Gato espicaçano a asma

Pedino que tenham dó,

Do meu nordeste gemente

Socorro pra quela gente

Cada dia mais pió,

Num tem água, só calô

E isturdia o doutô,

Mandô pra lá cubertô
E caixa de leite em pó.


Tem coisa que si num duesse

Seria inté ingraçada,

Misturo o choro cum o riso

Num perco rima ou piada

Isturdia me contaro,

E num foi cabra da peste

Que meu querido Nordeste

Manda agora no Brasi.

Tem Presidente, ministro,

Deputado, senadô,

Sem contá governadô.

Tanto assim nunca vi,



De seca trincô a bilha,

Dos bem que vai de Brasilha

Só receberu os arroto

Falaro em saneamento,

Mas inté esse momento

Só produziro o que serve

(falu isso o sangue freve)

Pra encher cano de isgoto.



Ô dotô, vê se isso vira,

Para cum tanta mintira

Vê se fais a coisa séra.

Du meu pidido num troça

Acode o povin da roça

Pra vencê essa miséra..
Na minha voz imbragada

Vejo a probeza danada

E ôceis achano gozado

Para com tanta indecença

Põe a mão na consciença

Vê se ajuda os coitado,

Dá um jeito de estancá

E a robaiêra acabá

Chega de tanta borrada

Ocêis fica aí sentado

No palácio, no senado,

E os probi fica sem nada.



Lembro o grande Capistrano

Que falô fais muntos ano

A verdade que escancara

Todo povo brasilero

Percisa de tê premero

Munta vergonha na cara.


Sô um cabra nordestino

Qui de burro nada insino

Mais aprindi cum a vida

Si ocê fais o bem, recebe

Na fonte do Pai cê bebe

Cum redrobada midida.



Mas se ocê judeia e oprime

Cumetendo esses crime,

A coisa intão fica preta,

Deus pode inté perdoá

Mas uma hora vai passá

Pelas garra do capeta.

E esse tempo é especro,

Aqui uma hora é um secro..



Nisso que eu falei ceis pensa,

E agora peço licença,

Pruquê já tô ino imbora,

Fica ocêis tudo cum Deus

Na paz do Sinhô Jesus,

No amô de Nossa Sinhora.



Vou saino ma eu vorto,

Onde dé meu canto eu sorto,

Se gosta ou não num importo

Sou eu da cabeça aos pé,

Um abraço apertado,

Assino, munto obrigado,

Do seu eterno criado

... Patativa do Assaré.



Antonio Gonçalves da Silva – Patativa do Assaré
(isprito)


Recebido pelo canal Arael Magnus, em sessão pública no Celest- Castanheiras –Sabará em 8 de Novembro de 2009)

Assista clipes de 400 músicas mediúnicas das mais de 1700 recebidas por Arael Magnus em
 www.youtube.com/user/TVINTERMEDIUM/videos?view=0&shelf_id=1&sort=dd